Dores crescentes: como a crise climática está mudando jardins britânicos | Vida e estilo

O Em um dia úmido de janeiro, uma pequena fatia de Walsall está desabrochando. O quintal de Marie e Tony Newton está repleto de cores de verão: ciclâmen malva em miniatura, camélias vermelhas com babados, heléboros graciosos, snowdrops sazonais e as bainhas verdes brilhantes de lâmpadas prometendo mais flores por vir. Alguns invernos de volta, seu primeiro narciso floresceu no Boxing Day.

"É fundamentalmente caótico", diz Tony sobre o novo clima normal. "É de flores non-stop a começar de actualmente. Os invernos são mais amenos, em média, e há todas as oportunidades de portar uma profusão de lindas flores de dezembro inclusive a primavera. ”

Inundações mortais em Bangladesh, incêndios florestais devastadores na Califórnia, derretimento de geleiras na Groenlândia, dealbação de corais nos oceanos – isso é a mudança climática em combate. Destacar mudanças muito mais benignas na Grã-Bretanha, há muito abençoadas com um clima moderado, pode parecer insignificante ou trivial. Nossos extremos gentis – a parvo do leste, ou o verão de 2018 sendo a mais quente da Inglaterra de todos os tempos – estão longe de ser drásticos. Mas eles inclusive agora representam desafios, e há mais mudanças chegando

27 milhões de jardineiros britânicos poderiam ser os canários em nossa mina de carvão. Como os jardineiros enfrentam a mudança climática na Grã-Bretanha e como ela está transformando nossos jardins? E a acomodação dos nossos estilos de jardinagem pode mitigar os impactos negativos da mudança climática?

Marie e Tony não puderam ver seu jardim quando viram pela primeira vez a casa em 1982, porque estava coberto por um monte de neve. Desde então, como o quarto de acerbo virado na direção de o sul evoluiu de um espaço na direção de brincadeiras na direção de crianças a um “jardim de quatro estações” com um anel-íris de flores, arbustos e árvores todo o idade todo, eles portar testemunhado o clima Midlands tornar-se cada vez mais suave. As geadas do outono são muito mais tarde, se elas atacarem, e setembro é um mês de verão actualmente. Suas begônias continuam inclusive outubro. “Isso nunca teria sucedido no passado; mal passávamos por setembro sem geadas ", diz Tony. “Embora esteja se aquecendo, você precisa planejar os extremos. Nós inclusive agora vamos portar invernos muito severos e isso vai perecer com as novas espécies de jardineiros. ”

Eles sabem muito muito disso. Seu jardim possui uma região de selva de cana, palmeiras, uma musa e os tocos de várias samambaias da Tasmânia. Essas samambaias sobreviveram ao inverno de 2009, a mais fria dos últimos 30 anos, mas uma série de noites de -15ºC e dias juso de zero em dezembro do idade seguinte as matou. "É uma hipoteca na direção de substituí-los", realiza uma careta Marie. A mudança climática está incentivando muitos jardineiros a comprar plantas exóticas, mas “inclusive agora precisamos de variedades realmente resistentes”, diz Tony. Sua pateta é embrulhada em pano preto durante o inverno. Ele garante que sempre que eles adicionam um moita aos 3.000 em seu jardim, ele pode sobreviver a -15 ° C.

O jardim de Marie e Tony se saiu melhor durante a seca do verão passado. Seus solos argilosos retêm a umidade, o que adminículo, mas eles não perderam uma única planta na direção de o clima, apesar de estarem de férias por duas semanas. Isso pode ser porque eles são mulchers obsessivos. Palha é material adicionado à superfície do solo na direção de elevar a matéria orgânica e reprimir as ervas daninhas. Os newtons adicionaram 108 metros cúbicos de casca de fuso ao solo ao longo dos anos; todos os anos eles igualmente compõem todas as suas folhas de jardim e mudas, reaplicando isso em seus solos. Esta matéria orgânica tem melhorado constantemente a qualidade do solo e, crucialmente, adminículo a reter a umidade

.

Quando Liam Shoesmith, vice-diretor de parques do conselho municipal de Truro, viu como as previsões de longo prazo do verão de 2018 pareciam, ele sugeriu que os jardineiros da cidade plantassem suculentas e cactos na direção de a entrada na competição. "Foi uma piada de verdade", diz ele. Mas o grupo comunitário que organiza as exibições de Truro seguiu seu conselho. No que a Royal Horticultural Society (RHS) descreveu como o “idade mais difícil na direção de jardinagem comunitária em 54 anos”, a mistura de plantas exóticas tolerantes à seca de Truro, incluindo palmeiras e ervas do Mediterrâneo, servidas por um sistema de captação de cozimento da chuva, prosperou. E Truro ganhou a competição Britain in Bloom pela primeira vez.

Shoesmith está presentemente enviando sua equipe na direção de cortar a grama do parque: invernos mais amenos significam que a grama de Truro cresce o idade todo. Ele começou a jardinagem quando era menino nos anos 80. "É definitivamente mais suave e úmido", diz ele. “O difícil que temos com o clima é o clima mais variável. O inverno passado foi provavelmente um dos mais chuvosos registrados aqui e então nós entramos em um dos verões mais secos. A natureza caprichosa do clima é muito difícil de prever e trabalhar. ”

Não pensamos em invernos suaves como eventos climáticos extremos, mas Dezembro de 2015 foi o mês mais extranormal registrado 5,1C suso da média, e o mais quente no conjunto de dados de temperatura da região central de Inglaterra, que remonta a 1659. Shoesmith percebe como insetos polinizadores, como as abelhas solitárias, muitas vezes emergem durante estes midwinters leves. Se não houver flores nem néctar, elas perecerão. "A mudança climática é um grande contratempo e, como jardineiros, todos podemos parteira a plantar o jardim na direção de que ele cresça ao longo do idade", diz ele. “Todos nós queremos isso de qualquer maneira.”

A jardinagem voltada na direção de a vida desumano concentra-se nas flores nativas, mas a Shoesmith argumenta que há muito tempo temos plantas não nativas – particularmente na Cornualha mais amena – e muitas espécies exóticas são tão atraentes na direção de os polinizadores. Em geral, as 400.000 espécies de plantas de jardim da Grã-Bretanha fornecem diversidade genética, permitindo que mais seleção e reprodução se adaptem a extremos futuros. Mas a Shoesmith igualmente tem um lema – "não fique tolo comprando muito apaixonado" – porque certas variedades de flores exóticas com muitas pétalas perdem seus órgãos sexuais que seguram néctar e, deste modo, tornam-se inúteis na direção de os polinizadores. Margaridas, acônitos, açaflor e heléboro são boas na direção de abelhas que acordam no inverno.

Os detentores de lotes igualmente estão se adaptando ao clima cada vez mais caprichoso. Mandy Barber voltou-se na direção de o cultivo de produtos perenes em sua trama em Ashburton, Devon. “As verduras anuais precisavam de muito mais rega e era preciso tocar e ir embora, no verão passado, mas os vegetais perenes têm muito mais resiliência às mudanças de temperatura”, diz ela. O curandeiro está experimentando com colheitas including a couve de Taunton Deane; poireau perpétuel, um alho-porro perene; e Hablitzia tamnoides ou espinafre caucasiano, que é cultivado na Escandinávia e pode sobreviver a -25C. “As plantas de Hablitzia tamnoides duram décadas, elas são como um triffid galopante, mas você obtém uma safra entre fevereiro e junho de cada idade e as folhas são um pouco como baby espinafre”, diz Barber. Ela igualmente propaga e vende essas plantas perenes.

 Parte da vencedora de Truro na Grã-Bretanha na competição de Bloom. "src =" https://i.guim.co.uk/img/media/36670e3d2bbef873569326d8ea78e2142df1e46f/0_0_2335_3508/master/2335.jpg?width=300&quality=85&carro=format&fit=max&s=3125fcbe3c8337c3ccef1efa96adcf38 "/> </source> </source> </source> </source> </source> </source> </picture> </div>
<p> <span class=

Parte da entrada vencedora de Truro na direção de a competição Britain in Bloom. Foto: Jim Wileman / RHS

Todo jardineiro com quem falo concorda que invernos mais amenos estão permitindo que mais pragas sobrevivam e incentivando novas espécies de pragas. Allan Trigg tem cultivado hortaliças há mais de 40 anos e tem um lote em Chelmsford, Essex. "Este é o meu pequeno pedaço da Inglaterra", ele sorri. Um número menor de geadas significa que seus companheiros de plantação plantam feijões, milho e batatas mais cedo. Com uma estação de crescimento prolongada, Trigg pode crescer mais, e segunda safra, embora no idade passado ele tenha crescido menos porque estava gastando tanto tempo regando seus vegetais. O clima seco produziu menor rendimento de culturas como as batatas. Depois de 2017, suas batatas duraram e sua esposa inclusive fevereiro; Neste inverno, eles foram comidos em novembro. E o minador de folhas de alho e a traça do alho-poró são um contratempo crescente. "Eu costumava cultivar um monte de alho-poró, mas actualmente não me incomodo", diz ele. Ele puxa um na direção de ostentar o dano juso do solo. “Nós nunca costumávamos portar esse contratempo anos depois.”

Em Walsall, os Newtons estão aceitando suas perdas crescentes na direção de pragas, como o carocho-da-lírio e o percevejo. "Foi completamente frenético posteriormente o verão quente", diz Tony. "Eu pensei que ia matar todas as plantas no jardim." Barber é cercado por voles (que sobrevivem os invernos mais suaves), enquanto na Cornualha, Shoesmith notou a propagação de fúcsia gall ácaro ao longo do sebes. "Ele teve a oportunidade de vir na direção de a Inglaterra por décadas, mas só chegou neste século por causa dos invernos mais amenos", diz ele. "Não temos a mesma quantidade de geadas actualmente e, por isso, temos muito mais problemas com fungos."

Estas observações coincidem precisamente com a linguagem mais científica de Jardinagem em um clima em mudança um relatório RHS de 2017 que descreve os desafios – invernos mais amenos, extremos mais imprevisíveis e mais pragas – causados ​​pelas mudanças climáticas. Mas o RHS igualmente pergunta como os jardineiros podem parteira a salvar o planeta. A maneira como fazemos jardinagem por vezes é parte do contratempo – usar cozimento preciosa em cata de um gramado perfeito durante uma seca vem à mente – mas pode ser parte da solução. Os jardineiros podem reduzir as emissões de dióxido de carbono, mitigar a poluição e as inundações e parteira a elevar a resiliência de seus vizinhos.

“O uso da cozimento em jardins será uma questão importante no futuro”, diz Alistair Griffith, diretor de ciência do RHS. Londres está prevista na direção de exigir 100m litros um dia a mais do que pode fornecer em 2020 com este déficit subindo na direção de 400m litros por dia inclusive 2040. O uso de cozimento intensiva de energia em os jardins inclusive agora são socialmente aceitáveis ​​e a Grã-Bretanha fica depois de países mais carentes de cozimento, onde a reciclagem de cozimento cinza é comum. Mas as proibições de mangueiras podem se tornar perpétuas na direção de algumas regiões nas próximas décadas.

acolá de usar unicamente cozimento da chuva – inclusive mesmo uma pequena varanda pode acumular e acumular cozimento da chuva com um mini-reservatório – Griffith recomenda que os jardineiros ofereçam “o máximo de vegetação capaz”. Ele sugere plantar sebes em vez de cercar e plantar árvores. As árvores não unicamente dissipam a poluição, mas igualmente aliviam as inundações repentinas e proporcionam sombra na direção de uma casa durante as ondas de entusiasmo. Talvez a maneira mais negligenciada como a jardinagem pode cascar o clima é de um a outro lado do solo: acasalar matéria orgânica (cobertura morta de compostagem doméstica, não turfa) pode produzir um solo que armazena mais carbono e retém mais cozimento, tornando igualmente os jardins mais resilientes em enchentes e secas

A última sugestão prática de Griffith na direção de jardinagem ecologicamente correta é tornar tudo permeável. Infelizmente, a pavimentação de jardins na direção de estacionamento continua (em 2015, o RHS descobriu que o número de jardins frontais pavimentados e sem plantas triplicou em 10 anos, de 1,5 milhão na direção de 4,6 milhões). Mesmo os jardins dos estacionamentos podem ser permeáveis ​​e plantados com árvores e arbustos ao redor da praia. Mas, de concordância com Griffith, as pessoas resistem, alegando falta de tempo e um nervosismo em relação à falta de jardinagem. "Jardinagem é sempre tentativa e erro", diz ele. “Dê uma chance.”

A jardinagem não impedirá as alterações climáticas, mas poderá tornar as nossas comunidades locais mais resilientes quando confrontadas com inundações extremas, entusiasmo – e clima agradável. Em tempos difíceis, é igualmente um gesto fundamentalmente otimista.

Dores crescentes: como a crise climática está mudando jardins britânicos | Vida e estilo

Fonte:
https://www.theguardian.com/lifeandstyle/2019/jan/14/growing-pains-how-the-climate-crisis-is-changing-british-gardens

Deixe seu comentário